Notícias » Brasil

 

Últimas notícias

  • 26/5 13:33 - Campeonato de 'air guitar' une fãs do instrumento musical na França

    Continuar lendo
  • 26/5 13:32 - Jonas Brothers vão em homenagem de Obama a Paul McCartney

    Continuar lendo
  • 26/5 13:32 - Liam Gallagher, ex-Oasis, anuncia sua nova banda

    Continuar lendo
  • 26/5 13:30 - Bono Vox recebe alta de hospital em Munique, na Alemanha

    Continuar lendo
  • 25/5 20:41 - Brasileira filma iniciativas pela paz no Oriente Médio

    Continuar lendo
  • 25/5 20:37 - Deslizamento deixa 29 casas interditadas em Santa Catarina

    Continuar lendo
  • 25/5 20:32 - Bombeiros encontram corpos das irmãs desaparecidas em lago no DF

    Continuar lendo
  • 25/5 20:30 - Mesa cirúrgica quebra, recém-nascido cai no chão e morre na Bahia

    Continuar lendo
  • 30/4 15:57 - Foto com arma na boca é 'arte', afirma Lindsay Lohan

    Continuar lendo
  • 30/4 15:49 - James Cameron ajuda a desenvolver câmera 3D para missão espacial

    Continuar lendo

Brasileira filma iniciativas pela paz no Oriente Médio

Terça-feira, 25 de Maio de 2010 às 20:41

Como aconteceu com quase todos os moradores de Nova York, os atentados de 11 de setembro de 2001 tiveram um profundo impacto na vida da carioca Julia Bacha, 29, que havia chegado à cidade aos 17 com a intenção de estudar inglês.

O abalo provocado pelo choque de dois aviões comandados por militantes da al-Qaeda às torres do World Trade Center levou a então estudante de história na Universidade de Columbia a querer entender mais sobre o Oriente Médio.

BudrusEquipe registra resposta com bombas de gás pelo Exército israelense durante as filmagens do documentário "Budrus", da brasileira Julia Bacha (Foto: Divulgação )

“Estava estudando histórias de diferentes lugares, até que o 11 de Setembro aconteceu e foi um momento muito impactante para quem estava em Nova York. O campus da Columbia é muito politicamente ativo. Fiquei envolvida e aí mergulhei no Oriente Médio e resolvi que ia me dedicar a isso”, lembra a brasileira.

Julia tinha deixado para trás o curso de direito na PUC do Rio, para a apreensão dos pais, o economista Edmar Bacha e a vereadora Andrea Gouveia Vieira. Ao concluir o curso, foi aprovada para uma das vagas no mestrado da Universidade de Teerã. Mas a invasão do Iraque pelos EUA em 2003 – um dos desdobramentos dos atentados de 2001 – endureceu as relações com o vizinho Irã, que negou o visto.

Enquanto esperava uma nova oportunidade para entrar no país islâmico, a brasileira se estabeleceu no Egito, para trabalhar como assistente da cineasta americana de origem egípcia Jehane Noujaim. Acabou assinando o roteiro e edição de “Control Room”, filme que marca sua estreia no cinema.

O filme chamou a atenção da israelo-canadense Ronit Avni, que convidou Julia para dirigir um núcleo de cinema da Just Vision, organização não-governamental fundada por ela nos Estados Unidos, com escritório em Jerusalém, para divulgar iniciativas pacifistas de israelenses e palestinos numa das regiões mais conflituosas do planeta.]

Julia BachaAo lado de Ronit Avni (esq), a brasileira Julia Bacha agradece prêmio concedido pela rainha Noor, da Jordânia, durante pré-estreia do filme no último sábado (24), em Nova York (Foto: Divulgação)

“Trabalhamos do ponto de vista jornalístico e de cinema. O objetivo não é panfletário, não queremos dizer que tudo que está acontecendo é bom e numa direção certa. Queremos contar a história toda, com problemas, dificuldades, com o que está ou não funcionando. A gente acredita que essa maneira de contar histórias é muito mais efetiva para realmente criar interesse na comunidade internacional”, observa Julia.

Budrus
O mais recente filme dirigido por ela, o documentário “Budrus”, exibido por aqui no festival “É Tudo Verdade”, registra as mais de 50 passeatas organizadas pelo ativista Ayed Morrar ao longo de dez meses, no esforço de convencer Israel a alterar o traçado do muro que estava construindo nos territórios palestinos ocupados e que afetaria os 1.500 moradores do pequeno vilarejo homônimo.

 Entre outros efeitos, a barreira destruiria parte de um campo de oliveiras, fonte de subsistência, além de dividir um cemitério e uma escola da vila. O que começa como um pequeno protesto dos moradores em frente às máquinas do Exército israelense, acaba chamando a atenção de organizações pacifistas e provoca uma impensável reunião dos rivais Hamas e Fatah pela causa.

Parte do material usado no filme foi filmado pelos próprios manifestantes, como forma de intimidar os militares. “A câmera tem esse efeito porque os soldados não querem ser filmados cometendo violações aos direitos humanos. Além disso, se alguma coisa acontecer, esse material pode ser usado como documentação ou pode ser repassado para a mídia”, explica Julia, que falou ao G1 do escritório da organização em Nova York.

Sessão de gala
Premiado com o segundo prêmio do público no Festival Internacional de Cinema de Berlim, "Budrus" estreou esta semana nos EUA no prestigiado festival Tribeca Film. Antes, teve uma sessão de gala patrocinada pela rainha Noor, da Jordânia, que entregou a Julia e Ronit na ocasião o prêmio King Hussein Leadership Prize, concedido a indivíduos e organizações com ações de destaque em direitos humanos.

Com diversas produções no currículo, duas delas dirigidas pela brasileira, a Just Vision tem no seu acervo mais de 80 entrevistas de personagens dos dois lados do conflito, disponíveis em árabe, hebraico e inglês. O próximo projeto da ONG é uma série de curtas sobre o conflito.

A crescente visibilidade conquistada por "Budrus", ironicamente, pode atrapalhar as próximas produções da organização na região do conflito.

“Não sabemos como vão ser os próximos filmes. Não somos conhecidos e isso é uma vantagem. Mas esse filme está recebendo muita atenção na mídia israelense. Já é muito difícil entrar em Israel por conta do nível de segurança. Fora isso, trabalhar na Cisjordânia é sempre complicado, o Exército pode a qualquer momento decidir quem entra e quem não entra de forma arbitrária”, diz Julia.

Quanto a registrar movimentos pacifistas numa das regiões mais conflituosas do mundo, em constante risco de bombardeio, a brasileira relativiza: “Meus pais ficam preocupados, mas eu sinceramente acho que Rio e São Paulo não são menos perigosos do que o Oriente Médio”.

© Rádio Cultural Fm
BRLOGIC